Alerta de Notícias:
Termos & Condições de Venda da Solenis Atualizados
Fechar 686C6711-FB74-47F4-AFEE-14D0F9C09B39

O quanto é segura a água para lazer em relação à transmissão de COVID-19?

Novas descobertas do estudo do Reino Unido mostram a importância da cloração adequada

Por: Stevie Watson | terça-feira, 8 de março de 2022 | Tempo de leitura: 5 minutos

Embora os surtos de certos patógenos respiratórios, como a Legionella, tenham sido ligados à água de lazer (muitas vezes devido à manutenção inadequada dos níveis de cloro), os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) afirmam que não estão cientes de nenhum relatório científico que mostre que a SARS-CoV-2, o agente causador da doença do coronavírus 2019 (COVID-19), se espalha pela água em piscinas, banheiras quentes, áreas de lazer ou outros locais aquáticos tratados.1

Apesar dessas declarações, o público permanece preocupado com a transmissão do vírus pela água. Em uma pesquisa de 2021, 52% dos americanos se preocupam com a COVID-19 em piscinas públicas e, entre esse grupo, 82% estão preocupados especialmente com grandes multidões na piscina.2

blog-rec-pool-water-mask-580x340.jpg

As descobertas de um estudo realizado no Reino Unido podem ajudar a amenizar esses medos. Publicado na revista Water Research, o estudo fornece uma melhor compreensão de como a cloração adequada e o controle do pH protegem as águas de lazer da disseminação do SARS-CoV-2.3 Cientistas da Solenis (anteriormente Sigura Water) contribuíram com experiência técnica para o projeto.3

Analisando o potencial de transmissão através da água

Embora a transmissão aérea seja aceita como a rota primária de disseminação do SARS-CoV-2, muitos também propuseram a transmissão através da água como rota secundária. As evidências para isso são resultado do fato de que muitos pacientes com COVID-19 apresentaram sintomas gastrointestinais, levando os pesquisadores a procurar RNA viral nas fezes de indivíduos infectados. O RNA do SARS-CoV-2 foi identificado em amostras fecais e também foi detectado em águas residuais não tratadas em todo o mundo.4

Mesmo em água não tratada, o vírus da SARS-CoV-2 não persiste indefinidamente. Algumas pesquisas mostraram que os coronavírus são mais sensíveis às variações de temperatura e que 99,9 por cento dos vírus foram inativados em dois ou três dias em águas residuais a 2 °C.5 Em água tratada com cloro, a inativação ocorre mais rapidamente. Entretanto, antes deste estudo recente dirigido por pesquisadores do Departamento de Doenças Infecciosas do Imperial College, em Londres, o efeito da água da piscina clorada na inativação do SARS-CoV-2 nunca foi diretamente demonstrado. Suas descobertas ilustram claramente o nível de eficácia do cloro na inativação do SARS-CoV-2.3

Experimentos sucessivos realizados

No estudo, os pesquisadores coletaram até um litro de amostras de água de várias piscinas e as modificaram no laboratório para ter uma faixa de valores de pH e cloro livre. Em seguida, uma quantidade conhecida de SARS-CoV-2 infeccioso foi adicionada as amostras de água duplicadas. Após 30 segundos de incubação, qualquer vírus infeccioso restante foi titulado em células derivadas de macaco, conhecidas como células Vero, usando o ensaio TCID50, que significa Dose mediana infecciosa de cultura de tecido e mede a sobrevivência dos vírus após o tratamento.

Experimentos sucessivos foram realizados com diferentes níveis de cloro livre, com o pH variando, com uma faixa de pH e níveis de cloro livre, e com uma preparação independente do vírus em uma faixa de níveis de pH e cloro. Além disso, um controle de solução salina tamponada com fosfato (STF) foi incluído em cada experimento para validar a infectividade da entrada de vírus.

Obtenção da inativação

As descobertas do estudo mostram a importância dos níveis de cloro e do pH para atingir a inativação viral. Para entender como a inativação ocorre, é importante entender a estrutura do vírus. O SARS-CoV-2 é conhecido por ser um vírus envelopado, com uma membrana lipídica que circunda uma cápsula de proteína que consiste em proteína e glicoproteína. O cloro age penetrando a membrana lipídica e reagindo com as proteínas internas para interromper sua capacidade de funcionar normalmente. Após a alteração das proteínas internas, o vírus fica inativado.

blog-rec-waterpark-safety-580x340.jpg

O estudo descobriu que um pH mais baixo e níveis mais altos de cloro livre resultam em uma maior inativação do SARS-CoV-2. Um pH de no máximo 7,4 e cloro livre acima de 1,5 partes por milhão (ppm) resultou em uma redução da ordem de 3 logaritmos (ou seja, pelo menos 3 ordens de magnitude) no fator infeccioso. A disponibilidade de cloro livre ativo diminui com o aumento do pH e isso foi observado no estudo, com algum vírus residual sendo detectado após o tratamento em amostras com água acima de pH 7,4, mesmo quando ao menos 1,5 ppm de cloro livre estava presente.

Com base nesses dados, os autores do estudo chegaram a esta conclusão: "Nossas descobertas sobre a suscetibilidade do SARS-CoV-2 à inativação por água de piscina enfatizam a importância para aqueles que mantêm piscinas aderirem às diretrizes do Reino Unido para cloração, e isso deve dar confiança na segurança dos banhistas quando estão na água."3

Se você tiver qualquer outra dúvida sobre a eficácia dos sistemas de desinfecção, entre em contato com a Solenis. Nosso portfólio de cuidados com piscinas e spas inclui uma variedade de soluções para tratamento de água para parques de diversão, piscinas comunitárias, hotéis e resorts, e nossos cientistas e especialistas em aplicações trabalharão com os proprietários de spas e piscinas para projetar uma solução de sanitização que garanta o mais alto nível possível de limpeza e saúde da água.

Referências

  1. CDC: Orientação para Piscinas Públicas, Jacuzzis e Parques Aquáticos Durante a COVID-19 - Atualizado em 1 de fevereiro de 2021.
  2. Pool e Hot Tub Alliance. (12 de maio de 2021). Preocupado com a COVID-19 na piscina? Uma pesquisa revela que os americanos estão divididos [Comunicado de imprensa]. Recuperado de https://www.phta.org/media-center/newsfeed/worried-about-covid-19-at-the-pool-americans-are-split-survey-finds/
  3. Brown JC, Moshe M, Blackwell A, Barclay WS. Inativação do SARS-CoV-2 em água de piscina clorada. Water Res., 30 de setembro de 2021;205:117718. doi: 10.1016/j.watres.2021.117718.
  4. La Rosa G, Bonadonna L, Lucentini L, Kenmoe S, Suffredini E. Coronavirus em ambientes aquáticos: Métodos de ocorrência, persistência e concentração - Uma análise de escopo. Water Res., 15 de julho de 2020;179:115899. doi: 10.1016/j.watres.2020.115899.
  5. García-Ávila F, Valdiviezo-Gonzales L, Cadme-Galabay M, Gutiérrez-Ortega H, Altamirano-Cárdenas L, Zhindón-Arévalo C, Flores del Pino L. Considerações sobre a qualidade da água e o uso de cloro em tempos de pandemia do SARS-CoV-2 (COVID-19) na comunidade. Estudos de Caso em Engenharia Química e Ambiental. Volume 2, setembro de 2020, 100049. https://doi.org/10.1016/j.cscee.2020.100049.
Stevie Watson

Especialista Sênior em Marketing, Soluções para Piscinas

Stevie está em Alpharetta, Geórgia, EUA, e lidera os esforços de marketing e comunicações para desenvolver o negócio Soluções para Piscinas Comerciais. As marcas de Soluções para Piscinas Comerciais incluem principalmente a Pulsar e a CCH, que são dedicadas a piscinas comerciais mais seguras, excepcionais e claras. Ela ingressou na Solenis em novembro de 2020.