Alerta de Notícias:
Termos & Condições de Venda da Solenis Atualizados
Fechar 686C6711-FB74-47F4-AFEE-14D0F9C09B39

Defendendo o uso da fibra moldada na embalagem de alimentos

À medida que a demanda por alternativas mais ecológicas aumenta, as soluções de fibra moldada surgem como substituições promissoras para produtos de plástico e espuma.

Por: Richard Brooks | terça-feira, 16 de novembro de 2021 | Tempo de leitura: 7 minutos
Blog-MoldedFiberContainer-580x340.jpg

Durante a maior parte de nossas vidas, artigos plásticos têm sido usados em aplicações na indústria de alimentos. Plásticos moldados e isopor são usados comumente para utensílios, pratos, conchas, bandejas e outros recipientes usados em serviços de alimentação. Eles proporcionam funcionalidade e conveniência excelentes.

Mas o impacto negativo desses materiais no meio ambiente não pode mais ser ignorado, e soluções alternativas devem ser desenvolvidas urgentemente como substitutas.

Recipientes de plástico e isopor de uso único têm taxas de reciclagem muito baixas. Confira os dados de reciclabilidade para papel, plástico e isopor da EPA.gov:

  • As caixas corrugadas foram recicladas a um nível de 67,3% em 2000 e alcançaram 96,5% em 2018.
  • As garrafas de polietileno tereftalato (PET) foram recicladas a uma taxa de 22,1% em 2000 e apenas 29,1% em 2018.
  • Em 2018, foram geradas 80 mil toneladas de contêineres de isopor, e uma quantidade desprezível (menos de 5.000 toneladas) foi reciclada nos Estados Unidos. 

Então, se o plástico e o isopor não são reciclados, eles são compostáveis ou biodegradáveis? A resposta direta é não. Embora alguns plásticos baseados em matérias biológicas sejam compostáveis como o PLA ( ácido polilático), plásticos não reciclados e isopor que são despejados em aterros não se desmembrarão, degradarão ou decomporão facilmente. Muitos desses itens não capturados no fluxo de resíduos seguem para os oceanos e cursos de água, onde são causas significativas de poluição.

A Agência de Proteção Ambiental (EPA) tem uma lista de perguntas frequentes sobre reciclagem e compostagem de plásticos, que fornece respostas adicionais sobre a (falta de) compostabilidade desses materiais.

Ação regulatória e de proprietários da marca

Devido aos problemas descritos acima, as agências reguladoras em todo o mundo estão tomando medidas para limitar ou proibir o uso de plásticos de uso único e isopor.

Entre os mais importantes está a Single-Use Plastics Directive (Diretiva de Plásticos de Uso Único) da UE, ou SUPD, que foi aprovada em junho de 2019 e entrou em vigor em 3 de julho de 2021. O Anexo B da Diretiva lista os itens de plásticos de uso único que enfrentam restrições a partir da data de entrada em vigor. A lista inclui itens que são encontrados frequentemente em praias:

  • Cotonetes, exceto aqueles para uso médico
  • Talheres (garfos, facas, colheres, pauzinhos)
  • Pratos
  • Canudinhos, exceto para uso médico
  • Agitadores de bebidas
  • Varetas para balões
  • Recipientes de alimentos de poliestireno expandido, recipientes de bebidas e copos.

Além disso, há várias iniciativas nos níveis federal, estadual e local, com o objetivo de reduzir a poluição por plásticos de uso único e isopor. Em janeiro de 2020, a McKinsey publicou o "The drive toward sustainable packaging - beyond the quick wins" (A direção rumo a embalagens sustentáveis - além das vitórias rápidas) e resumiu o cenário legislativo da seguinte forma:

Abordagens para minimizar e gerenciar resíduos de embalagens
  • Regulação atualmente em vigor
  • Mudanças recentes/próximas etapas para regulamentações de sustentabilidade
Austrália
  • Foco na otimização da recuperação e reciclagem de embalagens
  • Meta de 100% das embalagens sendo recicláveis, compostáveis ou reutilizáveis
China
  • Importações proibidas/restringidas de resíduos de embalagens em 2017
  • Proposta de proibição de sacos plásticos de uso único até 2022
Índia
  • A legislação favorece substratos e formatos que sejam recicláveis
  • Pressão pelo aumento do número de campanhas de conscientização e pontos de coleta
Canadá
  • Estratégia para embalagens sustentáveis por todo o Canadá
  • Implementação da Estratégia para Resíduos Plásticos Zerados (aprovada em 2018), com meta para 2030
União Europeia
  • Diretiva sobre embalagens e resíduos
  • Implementar uma proibição sobre determinados plásticos de uso único
Estados Unidos
  • Jurisdições importantes que estão implementando proibições relativas a sacos plásticos
  • Introdução de leis sobre a redução do desperdício de embalagens descartáveis e aumento da reciclagem

Fonte: McKinsey & Company

Além disso, os proprietários de marcas estão tomando medidas. As principais marcas, como Starbucks, Nestlé, Chipotle, Burger King, Taco Bell e Mars anunciaram metas para tornar suas embalagens de alimentos recicláveis, reutilizáveis ou compostáveis, com menos material sendo desviado para aterros. Essa mudança e o foco em embalagens mais sustentáveis significam que a base de fornecimento deve desenvolver, para muitas das soluções de embalagem usadas atualmente, alternativas economicamente e funcionalmente viáveis.

Fibra moldada - uma alternativa sustentável?

Os artigos de fibra moldada são uma alternativa mais ecológica aos plásticos de uso único e ao isopor, uma vez que são recicláveis, compostáveis e biodegradáveis. Mas artigos de fibra moldada exigem tratamento químico para proporcionar a funcionalidade necessária (incluindo retenção de água e gordura) para aplicações na indústria de alimentos.

Até agora, o material de escolha para a retenção de água e óleo/graxa tem sido o PFAS, que significa substâncias per e polifluoralquil. Essas substâncias químicas artificiais não se decompõem naturalmente no meio ambiente. Embora tenham um desempenho muito bom em aplicações na indústria de alimentos, eles estão sob uma intensa análise de riscos à saúde e ao meio ambiente.  Em outubro deste ano, a EPA publicou o PFAS Strategic Roadmap, para reduzir o dano e o risco desses produtos químicos às pessoas e ao meio ambiente.  Outros governos em todo o mundo estão tomando medidas semelhantes.

Estudos sobre problemas em saúde relacionados ao uso de PFAS em artigos de fibra moldada ainda estão em andamento. Enquanto isso, existem agora limites na quantidade de PFAS que podem ser adicionados aos artigos e ainda assim podem ser compostáveis. De fato, o Biodegradable Products Institute (BPI), que analisa e certifica produtos compostáveis que atendem às condições ASTM D6400 e ASTM D6868 quanto à compostabilidade, não certifica mais nenhum produto que tenha mais de 100 partes por milhão (ppm) de flúor total (medido por ser um elemento encontrado em compostos PFAS).

Tipicamente, os níveis de PFAS em artigos de fibra moldada são maiores que 1.000 ppm, para proporcionar retenção adequada de óleo e graxa (muito maior que o limite de BPI). Como resultado, o uso do PFAS em artigos da indústria de alimentação provavelmente será eliminado nos próximos anos em um nível global.

Claramente, se os artigos de fibra moldada se tornarem competidores sérios para substituir o plástico e o isopor em aplicações na indústria de alimentos, o setor de papel e papelão deve encontrar e validar uma alternativa eficaz para o PFAS. Essa alternativa deve oferecer funcionalidade para retenção de água, óleo e graxa em aplicações do mundo real, ser fácil de aplicar, ser rentável e estar prontamente disponível para os produtores em todo o mundo.

Uma alternativa ecológica para PFAS

A troca de plástico e isopor pela fibra moldada pode ser possibilitada por alternativas sem PFAS, mas com o que isso se parece? Em geral, isso pode ser feito substituindo o PFAS de cadeia longa e seus precursores potenciais por alternativas físicas ou químicas. Entre as alternativas físicas estão produtos à base de celulose ou até mesmo laminados de alumínio.

A Solenis desenvolveu uma solução inovadora sem PFAS para aplicações na indústria de alimentos usando fibra moldada, que oferece um mecanismo alternativo para retenção de óleo e água. Comercializada sob o nome Contour℠, a tecnologia é personalizável com base no tipo de matéria-prima usada (por exemplo, madeira dura/madeira mole, papel reciclado, resíduos agrícolas, bagaço) e condições de processo de fibra moldada. Ela é totalmente compatível com alimentos e pode ser adicionada à pasta de celulose sem a necessidade de equipamento de capital adicional. Para aplicações típicas na indústria de alimentos (pratos, tigelas, conchas, utensílios), permite que o produtor alcance a funcionalidade desejada a um custo competitivo.

As tecnologias de barreira sem PFAS, como Contour℠ , permitirão que os proprietários de marcas e produtores de embalagens de serviços alimentares invistam em fibras moldadas e ofereçam soluções mais ecológicas que ajudem a atingir suas metas de sustentabilidade. Ao investir em equipamentos de produção de fibra moldada, os produtores têm a opção de criar pontos de fornecimento de embalagens localmente, reduzindo os custos de frete e remessa, e gerando embalagens sob demanda, o que oferece benefícios adicionais de sustentabilidade.

Vencer-Vencer-Vencer

Artigos de fibra moldada que incorporam produtos químicos sem PFAS ajudam a proporcionar capacidade de reciclagem, compostabilidade e biodegradabilidade, ao mesmo tempo em que oferecem a funcionalidade que os consumidores esperam. Isso é uma vitória para os consumidores, uma vitória para o planeta e uma vitória para os fabricantes. Com uma alternativa validada às PFAS implantadas, os produtores de fibra moldada podem oferecer aos proprietários de marcas as soluções que procuram para substituir o plástico descartável e o isopor para aplicações na indústria de alimentos, ajudando-os a permanecerem competitivos e gerando um crescimento significativo.

Richard Brooks

Diretor Global de Marketing - Embalagem para o Consumidor

Richard ingressou na Solenis em 2017, após uma carreira de 35 anos na DuPont e Sonoco. Ele tem uma grande paixão por inovação e crescimento colaborativo e gosta de trabalhar com equipes multifuncionais globais para oferecer soluções sustentáveis em todo o mundo.